Jim Elliot, o mártir da Amazônia


Filho de Fred e Clara Elliot, pastores batistas nos EUA, desde cedo Jim revelou-se um jovem bastante talentoso, destacando-se em todas as atividades em que se envolvia. Convicto de sua vocação e chamada missionária, empenhou-se no estudo grego, visando uma possível tradução do evangelho para alguma língua nativa. Segundo o registro de seu diário, sua vida tinha sido profundamente impactada pelos testemunhos de missionários como David Brainerd e Hudson Taylor.

Quando chegou ao Equador, com sua esposa Elizabeth, trabalhou na tradução do Novo Testamento para a língua dos índios quéchuas. Nesse tempo, Jim soube dos índios aucas (hoje conhecidos como huaoranis), que viviam na Amazonia equatoriana, tinham fama de ser violentos e não mantinham nenhum contato com o mundo exterior. Logo firmou o propósito de levar o evangelho a essa tribo.

Após um tempo de estudo e sobrevoo na região, teve algumas iniciativas de contato bem sucedias com a tribo, com presentes trocados como sinal de amizade. Jim e mais quatro missionários resolveram que já era hora ter um contato mais pessoal visitando a própria aldeia. Mas ao fazerem isso, na manhã de janeiro de 1956, não foram bem recebidos e acabaram sendo mortos covardemente pelos índios aucas, com golpes de lanças e machados. Seus corpos foram encontrados dias depois pela Força Aérea Equatoriana, enquanto sobrevoavam o rio Curray.

As esposas desses missionários, apesar da grande dor que sofreram, dicidiram continuar com a missão e conseguiram evangelizar os aucas. A obra de Deus foi tão poderosa entre a tribo, que anos mais tarde o índio assassinou Jim Elliot e seus amigos, agora já convertido ao Senhor Jesus, tornou-se pastor local da igreja indígena e batizou a própria filha de Jim e Elizabeth nas águas do rio onde seu pai tinha sido morto.

“Eu não quero uma vida longa, Senhor, mas sim cheia de Ti. Senhor Jesus, consuma minha vida! Satura-me com o óleo do teu Espírito…” (oração encontrada no diário pessoal de Jim Elliot, escrita ainda antes de sair para missões).

Fonte: Revista Povos

Anúncios

Um comentário sobre “Jim Elliot, o mártir da Amazônia

  1. só uma pessoa cheia do Espírito Santo diria tais palavras:”Eu não quero uma vida longa, Senhor, mas sim cheia de Ti. Senhor Jesus, consuma minha vida! Satura-me com o óleo do teu Espírito…”e mais: “NÃO TENHO A MINHA VIDA POR PRECIOSA,ANTES CUMPRIR A CARREIRA NA QUAL ME FOI PROPOSTA! E PRECISAMOS SER ASSIM!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s